terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Presos à vida


A "pancada" é minha.
No "meu tempo" eram poucos os carros que tinham cintos de segurança à trás, mas eu sempre tive a mania de me sentar direita, ciente dos perigos da estrada (estamos a falar de pensamentos de há 20 anos atrás, em que o trânsito nada tinha a ver com o de hoje em dia).

Hoje a estrada é uma selva.
Há condutores mais domésticos do que outros, mas... os acidentes acontecem, e atenção que há acidentes que acontecem sem que a gente tenha alguma coisa a ver com o assunto, somos é... levados na fila.
Por isso eu "trabalho" muito com o espelho retrovisor, e este já me safou de alguns sustos provocados por condutores traseiros distraídamente selvagens.


Cresci e sempre quis estar actualizada sobre a segurança infantil. As cadeiras de segurança automóvel para bebés e crianças sempre foram a minha prioridade.
Vejo, apalpo, viro, aperto, desaperto, até encontrar uma cadeira que satisfaça os meus critérios de avaliação, depois de ter passado pelos da UE.

Abomino quem não prende as crianças à vida, dentro de uma arma mortífera = automóvel.
Quem é que nos nosso tempos actuais, aqueles em que há carros e mais carros, filas para tudo, buzinadelas, apertões, asneiradas, distracções, etc., etc., etc, é capaz de transportar crianças sem cadeira própria, sem cintos de segurança e PIOR à solta no banco da frente?
Têm ideia do que é não se conseguir segurar a 20 km/ hora, perante uma travagem forçada?
Não? Então experimentem? A sério!
Fiquem sem cinto, felizes da vida (porque as crianças não têm noção do perigo, é por isso que os pais são sempre mais velhos do que os filhos), sim na vossa rua, onde dizem nunca nada acontece, sim nessa mesma rua, ohhhh um cão -- prego a fundo... ohhhh doeu?
Imagine uma criança com muito menos peso que você!


Há quem tape a inconciência e transporte crianças:
- com o cinto de segurança demasiado solto, onde o bebé facilmente tira o braço e é projectado tranquilamente contra o vidro do carro;
- no banco da frente com o cinto à frente da cara, onde facilmente lhe é cortada uma vista caso aconteça um embate ou uma travagem brusca de emergência;
- com o cinto de segurança do carro (3 pontos) perpendicular por baixo do braço, que a grande maioria das pessoa utiliza como seguro, acaba por esmagar o figado da criança (um orgão vital) no caso de uma travagem brusca ou embate;
http://www.apsi.org.pt/conteudo.php?mid=24101112

Numa emergência, quando tivermos mesmo que transportar uma criança no automóvel sem cadeira, deve-se colocar a crianças SEMPRE no banco traseiro, de preferência no lugar do meio, presa com o cinto justo (sem vincar). Aquele cinto de apenas 2 pontos de segurança.
NUNCA colocar o cinto de 3 pontos, ou seja o perpendicular a vincar a cara da criança, nem debaixo do braço!
Mais vale colocá-lo para trás das costas.
E relembro que estou apenas a falar de emergências, que podem acontecer.
Caso contrário transportar bebés ou crianças sempre em cadeiras apropriadas.

ATENÇÃO aos bebés até 18 meses, pois têm pouca destreza na força do pescoço.
Infelizmente sei de uma senhora, e vou contar este episódio, para que possa ajudar a actualizar mentalidades que um dia podemos ser os "outros", daquele ditado do "só acontece aos outros":
Uma mãe ía numa rua de pouquíssimo movimento, com o seu 2º filho de 18 meses preso na cadeirinha no banco de trás, tinha acabado de deixar o seu 1º filho com 5 anos na escolinha.
Um cão atravessou-se à frente do carro e ela teve que travar a fundo.
O carro desligou-se.
Ela saiu e foi ver se tinha atropelado o cão.
Felizmente não, ele corria no outro lado da rua.
Ela entra no carro.
Fala com o filho e olha para trás.
A criança estava com a cabeça pendurada.
Partiu o pescoço.
Morreu.
Assim... tão estupidamente com um segundo.

Por isto e por muitas mais histórias, por todas as mães que já perderam filhos nas estradas, vítimas de acidentes de viação - PRENDAM OS VOSSOS FILHOS À VIDA!

3 comentários:

Rita Costa disse...

Até me arrepiei!

Tens toda a razão!!!!!

Beijos

Florzinha disse...

ola amiga!

fiquei horrorizada com essa historia...... a Benedita ja tem cadeira auto mas essa de partir o pescoço foi de mais..... obrigada pelas informações ajudas-te imenso..
tudo de bom! bj

SaraA disse...

Ui!! Fiquei arrepiada!! Lembrei-me logo de um casal amigo nosso que insistiu em colocar a filha de nove meses virada para a frente porque "assim nao se aborrece". Nao adiantou tentarmos convencê-los do contario...pois os nossos 2 filhos andaram virados para trás ate aos 2 anos.
Quando estiver com eles vou contar-lhes essa historia, pois têm agora uma 2ª filha com 6 meses. beijos